Conflitos nos relacionamentos: beijando o sapo que vira príncipe (as oposições no MAPA NATAL)

Eu sempre atrai como namoradas mulheres bem pão duras… Cada uma tinha trocentos escorpiões no bolso e não colocavam a mão ali facilmente para tirar dinheiro e gastar. Eu, o oposto, sempre gastei dinheiro sem dó. Economia não fazia parte do meu sobrenome.

Eu nasci com a oposição Vênus (em Sagitário na Casa 9) – Saturno (em Gêmeos na Casa 3). Quem saca de astrologia sabe que Vênus representa o tipo de pessoa parceira pelo qual nos sentimos atraídos. E também como será a dinâmica de nossos relacionamentos afetivos.

Saturno, portanto, colore a vivência afetiva de minha Vênus. Vênus também representa as finanças, nossa vida financeira, nossa maneira de lidar com dinheiro.

E uma das coisas que mais me irritava na pessoa parceira (Vênus) era este jeito pão duro (Saturno) com grana (Vênus). Uma pessoa que gasta muito costuma, claro, entrar em conflito com quem não gosta de gastar quase nada. Sagitário é um signo exagerado, dramático. Eu vivia a polaridade Vênus em Sagitário, gostando de gastar (Vênus) exageradamente (Sagitário) minha grana (Vênus).

Eis o conflito das OPOSIÇÕES no Mapa Natal. Quando um astro está a cerca de 180 graus do outro (geralmente em signos opostos), isso indica que teremos dificuldades de perceber uma faceta (um planeta) dessa oposição. E tenderemos a projetar no outro (deixar o outro viver) essa outra faceta (o outro planeta) desse aspecto astrológico. Esse outro ainda tenderá a viver o pior lado desse planeta, dessa conjugação simbólica. Os conflitos poderão ser uma constante.

Enquanto não houver um equilíbrio NA PRÓPRIA pessoa, entrando em acordo consigo mesma para não privilegiar (nem ignorar) uma das polaridades da sua oposição natal, atritos e divergências explícitas com uma outra pessoa (a projeção da oposição) serão uma dor bem chata.

E aí entra a beleza de se integrar esses lados… Porque isso ajuda também a pessoa parceira (ou a outra
pessoa que “incorpora” o lado que nos incomoda nessa oposição) a não expressar de forma tão negativa, ruim e chata aquela faceta que é oposta à que acostumávamos a privilegiar.

A Cris (Vênus) me ensina a economizar, a não desperdiçar, a não exagerar nos gastos, a poupar, a adotar hábitos mais maduros (Saturno) e responsáveis (Saturno) com dinheiro (Vênus). Enquanto não desenvolvi esses hábitos, os conflitos por essas divergências tão opostas eram constantes.

Ou seja, precisamos beijar o sapo (aqueles hábitos ruins, aquelas tendências negativas, a recusa em desenvolver certos comportamentos e com isso agirmos de forma tão inconsciente e imatura) – o astro preterido na oposição. Aí sim esse lado, digo, esse astro, ou melhor, esse sapo se transformará num príncipe – porque não rejeitaremos uma parte nossa (nojenta, incômoda, feia, inconsciente, sapo). Com isso essa faceta será valorizada e mostrará sua beleza, sua importância de tornar a nossa vida mais nobre (príncipe).

E nas Oposições Astrológicas o OUTRO adotará o papel de sapo. Ele receberá a projeção desse lado rejeitado de nós mesmos, apresentando-o de uma maneira muito feia, negativa, horrorosa.

Não por acaso a gente costuma sair de um relacionamento com uma pessoa por conta de uma determinada característica dela que nos incomodava tanto e, ao iniciar um outro relacionamento, com uma outra pessoa, vamos nos deparar com a presença do mesmo incômodo também nela. Coincidência? Não… matemática psíquica infalível. O que não trabalharmos em nós mesmos será encontrado no outro e cuspido na nossa cara de uma maneira nada legal…

Por isso precisamos do outro para descobrir certas melecas nossas. E beijar (valorizar, investir, desenvolver) esse lado sapo para ela contribuir com o nosso crescimento, nos elevar (príncipe).

Beijãozão nocês…
Yub