Quando a culpa é a herança que levamos nas costas (O Louco)

Eu nunca, nunca, nunca imaginaria que aquela trouxa que o Louco carrega poderia ter como conteúdo A CULPA… Nunca… mas é o Louco surpreendendo mais uma vez.

Aquela trouxa costuma ser vista nos livros de Tarot como simbolizando as experiências que tivemos e que levamos para as próximas que virão.

Então, porque tais experiências não podem ser justamente aquelas que mais pesam sobre nossas costas? Justamente por estarem marcadas pelo peso da culpa?

Quantas vezes iniciamos uma relação com a culpa do que fizemos num relacionamento anterior? Com a culpa das escolhas que fizemos e das atitudes que tivemos no fracasso de uma relação do passado?

Essa bagagem arqueia nossas costas e influencia um novo ciclo (Louco) e uma nova trilha existencial (Louco) que estamos prestes a percorrer (Louco).

Não há como iniciar nenhuma nova jornada (Louco) sem levarmos o que acumulamos de experiência (Louco) em experiências anteriores.

E não tem algo que grude tanto na gente e influencie tanto nossas aparentes novas escolhas do que a maldita culpa.

Cada dia que passa, cada cliente que atendo via skype, cada leitura de Tarot que faço por email, cada história que ouço e cada conversa que tenho com as pessoas me mostram o quanto a culpa é o grande protagonista da novela de nossa vida. E um protagonista vilão, claro.

Quando tive esse insight de o conteúdo dessa bagagem que o Louco carrega nas costas ser de CULPA, entendi muita coisa. Especialmente numa ironia que tende a se repetir.

Existe na psicologia (pelo menos na junguiana e na sistêmica) um fato recorrente. Ou a gente repete a história de nossos pais (e avós) ou muda radicalmente e vai por uma trilha que NUNCA poderia ser considerada repetitiva…

Um exemplo é o de seguir a carreira do pai ou de ir para uma outra completamente nada a ver com a profissão paterna.

Porém, tanto uma quanto a outra, quando vista de forma mais profunda e verdadeira, são reproduções de escolhas e estilos de vida de nossos pais (e avós).

O Louco se enquadra mais nestas escolhas aparentemente originais, diferentes, excêntricas em relação às da família de origem. Mas é só na aparência que houve essa opção por uma profissão bem diferente da do pai. Porque estamos carregando nas costas nesta experiência profissional é o que herdamos lá: as intenções, os objetivos, as resistências, as limitações, as barreiras e os enroscos que nortearam nossos pais.

E se libertar dessa bagagem demanda muita sabedoria. É necessário olhar para trás. E aí sim iniciar um ciclo de originalidade (Louco), uma jornada em que vamos em busca da nossa verdadeira identidade – não aquela que é uma reprodução cultural, familiar, social, econômica, enfim, do que os outros querem que nós sejamos (que vai contra o que nossa alma almeja para nós).

Nesse processo, será essencial não carregarmos a culpa por seguirmos uma trilha escolhida por nossa alma e não pela sociedade (com seus inúmeros representantes).

Beijãozão nocês…

Yub

O Carro e O Louco: Corra Lola, Corra!!

Cara… é impressionante. Quando saio de casa, pegando ônibus para ir a algum lugar, e tenho como Arcano do Dia O Carro ou O Louco, só pego motorista maluco e ousado. 

E os caras não fazem esforço para pisar fundo no acelerador e fazer manobras radicais não. Eles fazem isso com uma naturalidade tamanha… Parecem ter na mente os cálculos milimétricos de cada esquina, carro estacionado, curva e ultrapassagens. Meu Deus… mesmo passando por ruas estreitas e com carros estacionados em ambos os lados da mesma, os motoristas não estão nem aí. Vão tirando fino de cada veículo que entram em sua rota.

Cara… é tenso. É arriscado. Eles ousam. Eles parecem não ter noção do perigo. E assim é quando O Carro e O Louco saem em nosso jogo de Tarot. São Arcanos que trazem consigo uma certa inocência. Aquela que não lhes dá muita noção do perigo. Apenas têm o impulso de ir, de se movimentarem para onde seus instintos mandam.

O Carro e O Louco podem ser muito impulsivos, porque confiam excessivamente em suas capacidades. Consideram que superarão quaisquer obstáculos. Acreditam mesmo nisso. Ou melhor, parecem nem questionar. Não ficam analisando. Simplesmente vão, avançam.

O risco, claro, é o de acidentes. Porque é como se um adolescente metido à besta tenha pegado o carro do papai e se acha o ás no volante. Essa imprudência e arrogância podem custar caro. Mas O Carro e O Louco deixam todas essas preocupações, receios e precauções para outros Arcanos. Eles simplesmente vão. Seu lema é: Corra Lola, Corra!

Beijãozão nocês…
Yub

O Louco: saia da rotina e experimente o diferente!

Na 4a.feira passada, quando tirei uma folguinha de uma semana dos meus blogs de Astrologia, Numerologia e Tarot, saí com O Louco como Arcano do Dia. E subitamente me veio uma ideia de almoçar fora com a Cris neste dia. Ela topou!
Eu tinha terapia às 14 horas. Fomos ao Pátio Savassi e comemos num Self Service. Tem um lado do Louco que representa a distração. E essa tende a gerar algo surpreendente. O efeito de distrair é uma surpresa.
Isso ocorreu quando fui pegar uma carne, achando que era aquelas de “panela”, mas ao provar, era fígado. Há muitos anos não comia fígado. Sei que é uma excelente fonte de ferro. Então, por mais que não seja muito fã do gosto dessa carne, considerei um engano (Louco) proveitoso. Comi.
Após a terapia, passamos na biblioteca pública, renovei o volume 3 da trilogia millennium, do Stieg Larsson e fomos lanchar no Diamond. Lá, também experimentei o diferente (Louco). Pedi um suco no Marietta que nunca havia tomado.
Quando O Louco se faz presente, ele simboliza uma disposição de sair da rotina e experimentar o novo, o diferente, o nada comum para os seus respectivos gostos, valores e padrões.
Foi o que ocorreu comigo na 4a.feira passada.
Beijãozão nocês…
Yub

O Louco: onde está a luz no fim do túnel?

Ontem saí com O Louco como Arcano do Dia. E o que vivi nessa quinta-feira me proporcionou a oportunidade para ter um insight bem bacana sobre um dos atributos dessa Carta.
Quando O Louco sai num jogo de Tarot, ele simboliza a necessidade de dar um salto no escuro. Sim, precisamos arriscar – mesmo não vendo com clareza o caminho adiante. É preciso se jogar, se lançar no desconhecido.
Existe uma certa confusão sobre por qual trilha seguir quando o Arcano 0 se faz presente. É por isso que O Louco implica em seguir os instintos. Porque a gente não enxerga bem o que poderá ocorrer conosco. Mas esse lado instintivo está aí para ser usado, para nos guiar.
Ontem, então, eu levantei às 6 horas para meditar e continuar minha renovada prática co-criadora a partir dos livros de AUTOHIPNOSE da Teresa Robles e do Fabio Puentes. Eu costumo alimentar meus três monstros, ops, meus três blogs logo após o café da manhã. Porém, ontem, eu simplesmente comecei diferente. Eu fui logo respondendo vários e-mails pendentes da 4a.feira e preparando as aulas do dia dos cursos via internet que ministro.
Como algumas alunas pediram para eu adiantar as aulas de Tarot e de Numerologia, a fim de levarem em suas respectivas viagens de Carnaval, assim o fiz. E fui instintivamente fazendo o que era prioritário. 
Logo após o almoço, escrevi mais uma parte do novo conteúdo de Numerologia que estou criando para o Personare. Pronto! Chegara o momento de escrever nos Blogs – já que não escrevera pela manhã, como costumo fazer. Porém… eis que a energia elétrica vai embora!!!! Ficamos de 16 horas até 23 horas sem luz… 
Ainda bem que segui meu instinto e produzira tudo o que precisava de prioridade pela manhã e início da tarde… E com a escuridão reinante, eu tive esse insight de que O Louco não vê a luz no fim do túnel. Ele simplesmente vai, segue seu instinto e faz o que parece diferente, saindo da rotina, porque internamente ele sabe que isso será melhor. E assim foi na minha quinta-feira… 
Beijãozão nocês…
Yub  

O Louco e a abertura diante da vida

Na 4a.feira passada, dia 17/11/2010, eu estava com O Louco como Arcano do Dia. Vivi experiências muito interessantes que retratam a manifestação prática do que essa Carta representa.
Talvez a mais engraçada foi a de ter pegado um motorista de ônibus “louco.” rsrs Nunca havia pegado um motorista tão ousado como este. Mas não era uma ousadia à lá Carro, por exemplo. O motô fazia tudo com naturalidade. Suas manobras ousadas eram espontâneas. Ele as executava como se não estivesse fazendo nenhum esforço. Ele não estava concentrado, com raiva ou movido por um foco específico ao manobrar de maneira tão arriscada e fluida como fazia. Ele, inclusive, conversava agradavelmente com uma passageira – o que, em determinados instantes, aparentava uma distração da parte dele em relação ao trânsito.
Vi muito dO Louco nessa postura dele. Ele simplesmente fazia as manobras sem pensar nelas, sem fazer esforço, sem uma emoção muito definida. Ele simplesmente dirigia com naturalidade daquela forma fluida e arriscada ao mesmo tempo. Parecia nem ligar para o trânsito, para as limitações da rua em relação ao tamanho do ônibus, para os carros que poderiam vir do sentido contrário da pista. Enfim, fiquei impressionado com a “encarnação” dO Louco nesse estilo de dirigir do motorista do ônibus. Aquilo me inspirou.
Então, passei a viver levemente este dia. Eu fui almoçar na casa de meus pais. Dali iria cortar o cabelo, depois pegar um ônibus para devolver os livros da Biblioteca Pública lá na Savassi. E dali ir à pé para a aula do curso sobre interpretações de sonhos. Sim, quando saio com O Louco, há essa movimentação bem semelhante à dO Carro. Uma jornada, com várias caminhadas e questões a serem resolvidas na rua. 
Alguns imprevistos surgiram. Imprevistos não, oportunidades naturais para eu conseguir o que eu queria. Por exemplo: era aniversário de minha sobrinha, a qual também almoçaria na casa de meus pais nesse dia. Eu até então não sabia o que daria de presente para ela. E, mesmo assim, não me preocupei. Me abri para que o universo apresentasse para mim qual seria o melhor presente para ela. Essa disposição de espírito, aberta, disponível para que as situações ocorram, pra mim, é bem a cara dO Louco. 
Essa oportunidade veio. A Cris me pedira para levar até minha mãe – que faz um trabalho bem bacana na Pastoral da Saúde no bairro onde mora – algumas bijouterias. Minha mãe as doaria. Quando entreguei o pacotinho com tais objetos para minha mãe, esta me mostrou um relógio. Disse que a minha afilhada estava querendo um relógio. E aquele ali era a cara dela! Só que tinha o problema de estar com alguns detalhes precisando de reparos. 
Decidi que aquele seria o presente ideal para minha afilhada. Resolvi ir até o relojoeiro do bairro para consertá-lo. Aproveitaria e faria uma cópia de uma das portas da casa de meus pais que até então eu não tinha feito. O Louco vai apresentando as oportunidades. Se estamos abertos a elas, as usufruimos. 
Fui para a Biblioteca Pública, devolvi os livros e segui à pé. Há algum tempo, eu queria conversar com o Ítalo e a Junia sobre o preço da consulta psicológica dele. Eu faço terapia numa linha que não é a junguiana. É mais comportamental e existencial. E venho querendo fazer uma na linha junguiana. Com o Curso sobre sonhos, que esse casal ministra, eu aumentei o meu desejo de mudar de terapeuta. Só que precisava de um momento a sós com eles, sem nenhum aluno, para fazer determinadas perguntas não somente a respeito do preço cobrado pelo Ítalo. E imaginava como eu conseguiria isso. Não consegui vislumbrar nenhuma saída. Mas fui até o curso com essa vontade de saber mais. 
Então, quando cheguei na esquina do consultório deles, onde nossa aula seria ministrada dali a uns 10 minutos, eu ouço:
– Yub!
Olho para trás e vejo a Junia!!!! ÓTIMO!! Era a oportunidade de fazer as perguntas para ela, sem que nenhum outro aluno atrapalhasse. Perguntei detalhes da consulta do Italo enquanto caminhávamos para o consultório deles. 
Então, quando O Louco sai em alguma consulta, em algum jogo de Tarot ou mesmo como Arcano do Dia, ele preconiza a importância dessa postura aberta, receptiva e disponível a arriscar com naturalidade, de coração aberto ao que a vida pode nos apresentar. 
Beijãozão nocês…
Yub

O Louco como Arcano do Dia

O Louco como Arcano do Dia:


As questões do dia de hoje estarão lhe apresentando muitas oportunidades e possibilidades, o que poderá gerar uma certa confusão e algum caos para você lidar com as mesmas.
Um impulso a arriscar, largar velhos caminhos e iniciar algo novo e não testado poderá ser sentido por você neste dia. E isso te impelirá a se movimentar e seguir seus instintos, mesmo sem saber quais serão as conseqüências e nem aonde chegará.
O importante, neste dia, é você esperar pelo inesperado e – com inspiração, coragem e personalidade própria – encarar os desafios internos e externos que a vida lhe apresentará hoje.


Obs.: Compartilhe conosco o que você viveu no dia de hoje, a fim de aumentarmos nossa compreensão sobre a manifestação prática do que este Arcano simboliza.


Beijãozão nocês…
Yub