A passividade como resultado da nossa espera por uma solução mágica e externa!

O significado daquele anjo (cupido) ali em cima ganhou uma conotação ainda mais ampla e profunda para mim. Não é simplesmente a flecha de um cupido que nos tornará magicamente apaixonados por alguém. Vai muito além disso…

O que tenho percebido é que esse anjo representa um emissário do destino. E é o que mais desejamos naquelas situações em que nos imobilizamos pela dúvida e a angústia de escolher dói. Porque é muito mais fácil esperar pela intervenção divina para decidirmos entre duas pessoas, dois empregos, enfim, duas alternativas.

Queremos que algo externo decida por nós. Evitamos as consequências de uma decisão – e o maduro comprometimento que esta demandará. Preferimos enrolar duas pessoas, não dizer não, sair pela tangente e ficar na nossa zona de conforto. Assim evitamos perder uma opção, gerar conflitos e nos arrepender.

Quanto mais vejo o Enamorado presente nos jogos de meus clientes e eles compartilham suas histórias comigo, mais noto que o problema não é NÃO SABER O QUE QUEREMOS. O real problema se encontra num nível mais profundo. A causa da aparente falta de clareza sobre quem ou o que verdadeiramente desejamos está na incapacidade de bancar uma escolha, de se comprometer com uma decisão.

Pagar o preço de uma escolha é o que as pessoas evitam. Preferem deixar o outro escolher para elas – nem que esse outro seja um acontecimento trágico, um acontecimento radical, uma interferência divina, uma influência do destino.

Rezamos para não escolher porque não queremos bancar nossa vontade, nossa escolha. Preferimos deixar várias gavetas apertas, portas destrancadas e pessoas em “banho maria”. Porque assim ainda teremos opções quando a vida, de alguma forma, tirar algumas opções do nosso cardápio existencial.

Ou seja, vamos cada dia mais tornando aquela figura ali em cima – o agente do destino – como o protagonista da nossa vida. Porque aqui embaixo vivemos divididos entre duas ou mais pessoas ou situações. E não queremos bancar o preço de uma escolha. Estamos constantemente em busca de um milagre, de uma solução mágica apresentada pelo destino. Assim evitamos nos culpar depois por não termos sido capazes de mergulhar num caminho e investirdos comprometidamente nossa energia numa decisão.

A culpa do Louco (conforme escrevi neste post: http://yub-tarot.blogspot.com.br/2012/07/quando-culpa-e-heranca-que-levamos-nas.html) parece que tem a sua matéria-prima aqui no Enamorado…. Porque se não decidimos, não nos culparemos. Preferimos culpar tudo e todos, qualquer um e qualquer situação externa, pelo fato de terem escolhido por nós. Que a vida receba a culpa por nossa infelicidade, nossa vida profissional, amorosa e familiar. Assim continuamos nessa postura Enamorado de passividade existencial. Sempre à espera de um milagre que magicamente nos trará o que queremos – mas não queremos admitir que queremos e muito menos queremos bancar nosso desejo de o querer.

Beijãozão nocês…

Yub

Enamorado e o Triângulo Amoroso da Saga Crepúsculo

Você já deve saber que o Arcano 6 do Tarot – o Enamorado – é conhecido como o Arcano da DÚVIDA. Há indecisão pairando no ar quando essa Carta sai. Se for num MÉTODO voltado para questões AFETIVAS, essa dúvida (enamorado) será no amor.

Já reparei que o Enamorado, na área AMOR, mostra dois tipos de dúvidas.

O primeiro é: tenho medo de me envolver, de me compromissar afetivamente. E não sei se mantenho esse nível superficial de relação com a pessoa parceira ou se assumo que desejo um relacionamento mais sério.

O segundo é: tenho dois ou mais pretendentes. Não sei qual pessoa eu quero me relacionar efetivamente.

Agora observe o Enamorado no Tarot de Marselha:

O camaradinha está no meio, entre duas mulheres. Sua cabeça e seu olhar se voltam para uma delas. Suas mãos e seu corpo para a outra. Qual escolher? Uma dúvida, certo?

Porém, repare num detalhe. O camaradinha pode ser o vértice e cada mulher um lado de um triângulo. Está formado o Triângulo Amoroso.

E é o que tenho observado repetidamente em meus jogos de Tarot quando uma cliente me pede para tirar o Templo de Afrodite. O Enamorado vem simbolizando o triângulo amoroso: a cliente vivendo ao mesmo tempo com o marido e um amante. O cliente vivendo tanto com a esposa quanto com a amante.

Essa dinâmica do Arcano 6 está bem exemplificada atualmente pela Saga Crepúsculo, com Bella dividida entre o Vampiro Edward e o Lobisomem Jacob.

Beijãozão nocês…
Yub

O Enamorado: clareza sobre a dúvida ou não?

Um aluno meu (do curso de Tarot via internet) me fez uma pergunta bem interessante sobre o Enamorado. E depois sobre a comparação entre esse Arcano e A Justiça em termos de decisão.
Compartilho com vocês o papo que estabelecemos.


ALUNO Y:
– o arcano enamorado fala de renúncia. mas essa renúncia é aquela que implica em sacrificio? por exemplo, num relacionamento, o enamorado pode indicar uma situação na qual teremos que desconsiderar nossa vontade em prol do parceiro ou da relação?
 
YUB: a renúncia do Enamorado é aquela que a gente renuncia à escolha mais CÔMODA e vamos em busca da opção que demandará mais MATURIDADE, RESPONSABILIDADE.
 
A gente pode até colocar a desculpa na pessoa parceira ou na relação, mas, no fundo, é o nosso comodismo que nos impede de decidir.
 
Por exemplo: manter uma relação de namoro comodamente, poque já estamos acostumados com a vida com tal pessoa. Mas nosso coração bate mais forte por outra e há a oportunidade de nos relacionar efetivamente com esta.
 
Porém, como será uma relação bem mais madura e que demandará risco e responsabilidade maiores, damos a desculpa que não nos separamos de quem estamos atualmente por causa dessa pessoa ou da relação com esta. Mas, no fundo, é nosso comodismo que nos impede de romper de forma madura com quem não nos sentimos mais ligados e iniciar uma relação compromissada com outra.
 
ALUNO Y:
– nas decisões do enamorado, as condições que envolvem cada opção da escolha são sempre muito claras? ou a dúvida ocorre em parte porque não sabemos quais as consequências de cada opção?
 
YUB: a dúvida no ENAMORADO é sempre muito clara entre duas (ou mais) opções. E sabemos sim quais serão as consequencias de cada decisão.
 
ALUNO Y:
– tanto a justiça quanto o enamorado parecem incentivar a decisão madura, partindo da conciliação. qual seria a diferença entre os critérios que cada arcano “utiliza” para decidir?
 
YUB: o enamorado utiliza mais o coração, o afeto, os sentimentos para decidir. A justiça não, é bem mais racional e nem um pouco emocional.
 
Beijãozão nocês…
Yub

Enamorado e Temperança: os conciliadores!

Parece que com Saturno em Libra, a responsabilidade de atuar como conciliador está mais presente na sociedade como um todo. Ou não sei se é só comigo… ainda mais que estou com esse trânsito em minha Casa – a das parcerias. Ou se porque vivi o Mês Pessoal 2 neste mês de Janeiro. E o 2 simboliza a arte de conciliar.
Em Março, observarei se continuo saindo com O Enamorado e A Temperança como Arcanos do Dia de forma bastante repetitiva conforme ocorreu neste mês de Janeiro. 
Essas duas cartas, pelo que tenho observado, são as que melhor descrevem o estilo diplomático de ser. Em dias que estou com ou outro desses Arcanos em vigência, é impressionante como estou bem conciliador. A oportunidade de unir pessoas ou metas comuns entre duas ou mais pessoas se faz bem atuante no meu dia.
A diferença é que quando O Enamorado é o “diplomático da vez”, há uma maior dúvida e receio de gerar conflitos ao atuar como conciliador. E demanda-se uma conciliação mais externa.
Já quando A Temperança tá na área como Arcano do Dia, há uma maior impaciência para agir como diplomático. A irritação e vontade de brigar, de soltar o verbo de forma mais agressiva, por exemplo, estão preponderando. E demanda-se uma conciliação mais interna.
De todo modo, Enamorado e Temperança representam bem essa postura conciliadora. As situações diárias nos exigem mais a expressão dessa diplomacia quando um ou outro é o Arcano do Dia.
Beijãozão nocês….
Yub

Tarot e os Sonhos: as semelhanças! E o Enamorado.

Quando comecei a estudar e jogar o Tarot, eu já mergulhava nas obras de Jung. Isso me ajudou a responder várias perguntas que eu mesmo me fazia sobre a eficácia, a praticidade e a capacidade certeira do Tarot.
E cada dia que passa, por eu continuar aprofundando minhas pesquisas e experiências com os SONHOS, noto o quanto o Tarot “funciona” como um enredo daqueles que temos quando dormimos.
Como assim, Yub? Explica isso melhor.
Bom, para compartilhar essas analogias que percebo entre o Tarot e a INTERPRETAÇÃO dos SONHOS, precisarei escrever vários posts aqui no Blog. Em cada um, terei a oportunidade de esclarecer cada vez mais o que vislumbro de semelhante na minha prática com ambos.
Existe uma linguagem comum, compartilhada tanto pelo Tarot quanto pelos sonhos. É a linguagem SIMBÓLICA. O alfabeto utilizado para formar as mensagens dos sonhos e a mensagen do Tarot é formado pelos SÍMBOLOS. 
Se nós sonhamos com uma mulher, esta é um símbolo. Qualquer elemento (seja este uma pessoa, um animal, um objeto, um lugar) presente no SONHO é um SÍMBOLO. Tal elemento onírico representa algo sobre nós, nossa vida e nosso momento. 
Do mesmo modo, cada Arcano do Tarot é composto por vários símbolos. E cada símbolo presente numa Carta que saiu em nosso jogo representa algo sobre nós, nossa vida e nosso momento. O conjunto de simbolismos de um Arcano forma uma imagem. Uma imagem simbólica. Uma imagem arquetípica.
Veja o Arcano 6, O Enamorado:
A imagem formada pelo conjunto de símbolos desta carta (um homem dividido entre duas mulheres, tendo uma parte de seu corpo voltada para uma e outra parte voltada para a outra, com um cupido acima) tende a destacar uma situação. Sabe qual é? É a DÚVIDA.
Quando estamos divididos entre dois caminhos, duas opções, estamos vivendo a angústia da DÚVIDA. Então, o conjunto simbólico do Enamorado evidencia uma situação de INDECISÃO.
Eu, você e qualquer pessoa já passamos e voltaremos a passar por uma situação angustiante de DÚVIDA. Não é uma dúvida qualquer, como aquela que ficamos entre vestir calça jeans ou calça de linho para sair numa balada. É uma dúvida que angustia: entre manter o relacionamento com a mãe ou sair dessa cômoda segurança para nos arriscar num namoro/casamento. É a dúvida entre permanecer ao lado da esposa ou investir num comprometimento com a amante atual. É uma dúvida entre permanecer num emprego ou optar por um trabalho mais prazeroso. Entre permanecer no país ou fazer um intercâmbio cultural.
Ou seja, uma situação que é comum a todos os seres humanos é chamada de ARQUETÍPICA. Todos os tipos de situações possíveis à experiência humana estão representadas nos 72 Arcanos do Tarot.
O mesmo ocorre em nossos sonhos. Situações arquetípicas estão ali representadas. E merecem ser bem compreendidas para que possamos nos conduzir pela vida de maneira consciente.
Assim, quando O Enamorado, por exemplo, surge em nosso jogo de Tarot, ele tende a mostrar que vivemos uma fase angustiante de dúvida. Qual caminho seguir? Qual escolha fazer?
Tenho visto o quanto esse Arcano surge mostrando que há, no mínimo, duas opções a nosso dispor. Numa alternativa, manteremos as coisas como estão. Nesta escolha, há um certo comodismo. Na outra opção, se a seguirmos, seremos exigidos a ter uma postura mais madura, responsável e compromissada. E também demandará da gente um risco, uma ousadia (O Carro é o Arcano que vem após O Enamorado). Cabe a nós fazermos a escolha, decidirmos.
Portanto, o Tarot, assim como os SONHOS, são mensagens do nosso inconsciente. Estas mensagens utilizam-se da linguagem simbólica. E pedem da gente atenção, carinho e consciência para decifrá-las. Com a compreensão das mesmas, seremos conduzidos ao que nosso Self (eu interno) realmente quer de nós em cada fase de nossa vida.
Beijãozão nocês…
Yub