Tarot: O Julgamento e o acordar para a vida!

Julgamento

 

Não sei se você sabe. Eu tenho um bloquinho de anotações. Ali escrevo ideias para artigos (tanto para publicar aqui no blog quanto no Personare).

Ontem, eu tive uns vislumbres sobre o que escrever a respeito do Arcano 20 do Tarot: O Julgamento. E pensei:

– Aposto que amanhã, ao tirar o par de arcanos do dia, sairei com o Julgamento!

Dito e feito! rsrs Acabei de tirar o Tarot aqui para saber sobre esta minha quinta-feira. E ele deu o ar de sua graça.

O mais engraçado é que, muitas vezes, quando saímos com o Julgamento num dia, tendemos a ter acordado mais cedo neste dia. Mais cedo que o costumeiro. E, claro, isso ocorreu hoje comigo. rsrs

Por quê?

O Julgamento: o terror dos Tarólogos!! E a insatisfação do cliente!

Se há um Arcano que fico torcendo para não aparecer nos jogos que faço para minhas clientes é o JULGAMENTO. Porque ele apresenta a resposta que NENHUM tarólogo quer dar ao seu consulente. O tal do “Não sei o que ocorrerá.” 
Imagine o cliente – ainda mais aquele que não é familiarizado com os significados das cartas (graças a Deus, a maioria de minha clientela entende de Tarot) – que vem todo cheio de expectativas para ter uma resposta para algo que vem angustiando-o. E recebe a resposta “não sei” do Tarólogo. É tudo que ele não quer ouvir. Prefere saber que seu objetivo não será alcançado do que ouvir um “não sei.”
Então, me vejo na necessidade de compartilhar um jogo que fiz pra mim no ano passado. E que saiu O JULGAMENTO na Casa 4 (o Resultado) do Pèladan. Os pares de Arcanos que saíram foram estes:
Casa 1 (o que está favorável de ocorrer na situação perguntada): IMPERADOR / 6 DE OUROS
Casa 2 (quais os obstáculos para tal situação): MORTE / 3 DE PAUS
Casa 3 (como será o desenrolar desta situação): MAGO / 2 DE PAUS
Casa 4 (como será o resultado desta situação): JULGAMENTO / 7 DE PAUS
Casa 5 (como o consulente se encontra diante dessa situação): FORÇA / PAJEM DE PAUS
A pergunta que fiz foi se o sítio de meu pai seria vendido até 31 de Dezembro de 2013.
Meu pai havia combinado comigo e com minhas duas irmãs que, ao vender o sítio, daria uma quantia para cada um – o suficiente para eu dar uma entrada num apê e sair de onde estou. Em vez de pagar aluguel, pagaria as prestações da casa própria. 
Como a Cris já terminara a faculdade em Julho do ano passado, não fazia mais sentido morarmos onde moramos (é ao lado de onde ela estudava e dava para ela vir amamentar a Sophia nos intervalos das aulas). Sem contar que a vizinhança aqui é muito barulhenta, fã de funk no talo aos finais de semana, tiros e fogos de artifício – o que deixa minha cadelinha apavorada e costuma acordar minha filha de seu sono noturno. 
Aquela Força ali na Casa 5 era eu, tenso e voraz na espera (Força) de uma boa notícia (Pajem de Paus): a venda do sítio. 
Como vi aquele Imperador e 6 de Ouros na Casa 1, pensei:
– Ótimo! Está favorável de ocorrer (Casa 1): meu pai (Imperador) me ajudando o suficiente (6 de ouros) para dar entrada num apê.
Haveria várias oportunidades e possíveis compradores (Mago), mas obstáculos (2 de paus). E poderia apenas ficar na promessa (Mago) de venda desses interessados, porque outras coisas precisavam ser resolvidas (2 de paus). Dito e feito. Eu havia entrado em contato com diversas imobiliárias em outubro, muitas especializadas em imóveis rurais. Então, o número de visitas de pessoas querendo ver o sítio foi grande mesmo. Mas propostas que não valiam a pena. Trocas com outros imóveis, carros, propostas de valor bem inferior ao que pedíamos. 
Mas o que mais me causou arrepios foi ver O JULGAMENTO ali na Casa 4 – do resultado. Iria acontecer algo que ninguém esperava, pensava, imaginava. Algo surpreendente traria uma outra dinâmica para essa questão da venda do sítio. O que seria??? Maldito Julgamento que não nos permite ter clareza sobre o que ocorrerá numa questão perguntada ao Tarot. 
Só no início deste ano eu fui saber que surpresa era essa… 
Meu pai teve uma ideia completamente inusitada! Ele tem uma casa imensa. E na casa há tanto sua casa quanto três escritórios de contabilidade. E os funcionários estavam distribuídos em dois andares. O que meu pai vislumbrou?
Uma reforma em vários locais da casa e a construção de uma ampla sala no que era o terraço da casa. E ali ele teve a ideia de levar os funcionários que ocupavam uma parte da casa para lá. E nesses cômodos vagos, ele me proporia morar lá. 
Eis aí o Imperador / 6 de Ouros!!! Através de uma reforma/construção (Imperador) feita por uma figura de autoridade/paternal (Imperador), eu seria ajudado (6 de ouros). 
Eis aí o Julgamento apontando para uma situação que nem fazemos ideia quando elaboramos e interpretamos a pergunta ao Tarot. 
Claro que topamos! Agora é só esperar a obra terminar e ir para uma rua sossegada, perto do metrô, perto de várias linhas de ônibus, com espaço para a Cris atender (pois ela terá ali um amplo consultório de psicologia), com espaço para eu dar cursos e palestras, com espaço para minha filha brincar, perto de meus pais, enfim, com vários itens que eu e a Cris vínhamos desejando e co-criando. O universo nos trouxe esse tipo de oportunidade para realizarmos vários sonhos. 
Beijãozão nocês…
Yub

O Julgamento e a surpresa do inesperado frente ao esperado.

O Julgamento vem nos pregando várias peças. Tanto aqui, especialmente nos jogos de tênis que a Lu(cia Fontes) tirou, quanto na vida do dia-a-dia. No grupo de supervisão com minha professora às segundas-feiras, a gente passou a brincar. Vamos tirar a carta do Julgamento do baralho. Assim ele não surge em nossos jogos e não nos gera mais esse nó de dificuldade interpretativa.

Agora começo a entender o porquê dessa reação frente ao Julgamento. É porque ele aponta um caminho não vislumbrado por nós. Podemos ter trocentas alternativas e ideias de como resolver uma situação perguntada ao Tarot. Porém, essa que o Julgamento está indicando não faz parte desse leque por nós esperado.

Em outras palavras, ele vem justamente apresentar um caminho, uma solução, um conselho que não esperamos, que foge ao que temos ideia de que poderá ocorrer numa questão.

Vou usar um exemplo bem tosco, mas que – creio eu! – tem a ver com a dinâmica do Julgamento. Já estou rindo aqui antes mesmo de escrevê-lo… rsrs É o seguinte.

Quer algo mais assustador, que foge completamente do esperado, do que ver uma pessoa tida como morta – e velada num caixão -, abrir os olhos, se mexer e sair da tumba??? Não há espanto e choque maiores, não é mesmo? Assusta, sai da rotina, é algo incomum e que não se espera. Pois é… isso é um Julgamento em ação. Não por acaso, na carta costuma haver o renascimento de alguém, saindo justamente de um caixão.

Diante das experiências – e relatos – de pessoas que foram diagnosticadas como mortas e surpreenderam ao renascer, ou que tiveram uma EQM (Experiência de Quase Morte), a grande maioria retorna à vida do dia-a-dia com uma postura mais consciente, responsável, comprometida.

Por isso O Julgamento aponta para um desenrolar da questão que será o melhor, o mais de acordo com o propósito existencial do caminho de vida de uma pessoa. Ela mesma encarará o resultado de uma pergunta abordada pelo Tarot de uma maneira marcada pela maturidade…. Pode até ser um final ruim, externamente considerado negativo. Mas apontará para lições e aprendizados realmente importantes à sua evolução, à sua conscientização, à sua trajetória existencial.

Um exemplo surpreendente no dia-a-dia do Julgamento que posso compartilhar foi uma sexta-feira que eu saí com Julgamento / 5 de Espadas. Nesse dia, eu estava com o carro do meu pai. Eu e a Cris saímos com a Sophia, no carro, claro. E tínhamos de passar na Livraria do Psicólogo para trocar um livro que a Cris tinha ganhado de presente e depois irmos ao BH Shopping.

Detalhe: eram 16:30h quando saímos. Já seria difícil encontrar um lugar perto da livraria, que fica numa avenida bem movimentada aqui em BH. Agora imagina o trânsito do horário de tardinha, numa sexta-feira??

O que eu esperava? Que iríamos mofar no trânsito, que não conseguiríamos uma vaga próxima à livraria e a fome com que já saíramos de casa ia nos incomodar bastante.

O que aconteceu??

NADA DISSO!!!!!!!!!

Fluiu o trânsito surpreendentemente. Fui super rápido, achei uma vaga próxima à livraria e ainda saímos dali para o BH Shopping sem pegar engarrafamento. Fiquei chocado (Julgamento), pois tudo aquilo que esperava e que seria algo comum, rotineiro, normal, não aconteceu (Julgamento).

Então, quando você sair com o Julgamento aí em algum jogo de Tarot ou como Arcano do Dia, saiba de uma coisa, o universo apontará outras perspectivas, experiências, soluções e caminhos – os quais você nem imaginava ser possível de ocorrer…

Beijãozão nocês…
Yub

Do esquecimento à lembrança: O Julgamento!!

Toda e qualquer situação que o ser humano experiencia está retratada em alguma Carta do Tarot. Seja Arcano Maior ou Menor, ela está caracterizada em algum deles.

Porque o Tarot nada mais é do que a imagem de uma situação arquetípica. E o que é isso? É uma situação comum a todas as pessoas. É uma experiência típica da natureza humana.

Ontem saí com O Julgamento / 2 de Copas como o par de Arcanos do Dia. Na consulta de Tarot via internet comigo, a pessoa tem direito ao Mandala e a mais duas perguntas. Havia feito o Mandala e mais uma pergunta (Templo de Afrodite, método para relacionamentos afetivos) para ela. E esqueci que ela tinha me pedido, no fim da semana passada, um outro método, para uma pergunta que ela quer saber a resposta.

O Julgamento vem mostrar essa LEMBRANÇA. Essa conscientização do que estava esquecido. Porque ele representa algo que estava morto, inerte, dormindo e que vem à luz, renasce, ressurge.

Tal atributo essencial do Julgamento não vem justamente caracterizar a MEMÓRIA de ALGO que foi ESQUECIDO? Aquilo que foi esquecido está dormindo e morto no inconsciente, na mente. Quando lembramos, esse algo que estava escondido vem à tona, se torna claro, ressurge para nossa consciência.

Precisei conversar com ela (2 de Copas) para me lembrar do que havia esquecido (Julgamento): jogar o Tarot para a sua outra pergunta. Pedi desculpas para ela, dizendo que o feriado na semana passada me confundiu, e ela compreendeu (2 de Copas).

Beijãozão nocês…
Yub

O Julgamento: o despertar!

Tô aqui sorrindo. Tô aqui impressionado com um detalhezinho que vem se repetindo quando O Julgamento sai como Arcano do Dia. Sabe qual é?

O fato de ter de levantar mais cedo do que o usual para resolver algum compromisso que se faz necessário.

É um belo exemplo prático e cotidiano do atributo de DESPERTAR que O Julgamento simboliza.

O Arcano 20 pede para acordarmos. Acorde! Adquira maturidade ao cumprir com os compromissos. Envolva-se, comprometa-se!

Eis o pedido do Julgamento quando ele surge em nosso jogo de Tarot. Não é à toa que elte tem em seu desenho pessoas saindo de uma tumba. Ou seja, renascendo, redespertando para a vida. Acordando… depois de um longo sono de inconsciência e imaturidade.

Faça valer a oportunidade de estar vivo! Coloque o despertador da consciência ao seu lado e sempre o carregue consigo. Ele tocará de tempos em tempos para lembrar do compromisso que você tem com a sua vida!

Beijãozão nocês…
Yub

O Julgamento deveria se chamar A RECICLAGEM!

Ontem saí com O Julgamento como Arcano do Dia. E tive um novo insight sobre um dos seus atributos quando me embrenhei em determinada atividade literária.
Como muitos sabem, eu AMO escrever contos policiais e de suspense. Há alguns anos, iniciei um romance policial. Mas como percebi o quanto ainda estava cru quando criei um terço desse livro, desisti de continuar. Estava de uma qualidade muito ruim.
Mas guardei a parte que escrevera. Salvara em meu computador. Ontem à noite, a fim de relaxar um pouco mais, resolvi aproveitar alguns trechos que considero bem bacanas do projeto de livro. E comecei a juntar algumas partes e dar um novo arranjo às mesmas.
Em outras palavras, eu decidi rearranjar partes e trechos do livro em contos. Sim, pegar determinadas cenas, juntar, colar de uma outra forma e reaproveitá-las, dando um novo sentido para a sua junção. E esse novo direcionamento seria dado ao elaborar novos detalhes nessa união de trechos e partes do outrora projeto de livro.
Enfim, reciclei muitas passagens do livro ao transformá-las em contos policiais e de suspense. Fiz isso de forma bem consciente ontem à noite. E foi muito prazeroso.
Daí veio insight de como O Julgamento, em seu processo de renascimento, usa da reciclagem para ressurgir algo novo, transformado e bem diferente do que existia antes e que mantinha-se no limbo…
Muito bacana… Quis compartilhar essa experiência e insight com vocês.
Beijãozão nocês….
Yub

O Julgamento: o passado bate à sua porta!

Engraçado… o Julgamento tem saído bastante pra mim nos últimos dias. E identifiquei que essa “aparição” do Arcano XX ficou mais evidente desde quando Mercúrio entrou em movimento Retrógado.
Caso queira saber em detalhes o que esse simbolismo astrológico representa, basta ler aqui:
O Julgamento revela bem uma situação de renascimento. Algo que parecia morto e acabado surge novamente. Só que agora de uma maneira nova, renovada. E a gente o encara com uma nova postura, mais responsável e compromissada.
Mercúrio Retrógrado, basicamente, indica a volta de alguma pendência. Algum mal entendido ou situação que ficou mal terminada no passado, reaparece no presente. É o momento de retomarmos certos assuntos, situações e relações, a fim de entendermos melhor o que eles representam, reavaliando-os. E, com isso, darmos uma nova movimentação a tais circunstâncias. 
Ou seja, é super parecido com a dinâmica representada pelo Julgamento. O renascer, o redespertar de algo é a volta de alguma coisa do passado, a qual parecia morta, enterrada e acabada. Basta lembrar da passagem bíblica em que Jesus, após ser morto e enterrado, renasce (Julgamento) – com uma outra forma, apresentando uma nova missão.
Tenho retomado um antigo projeto com um grupo de amigos. Porém, agora, de uma forma renovada, revigorada – e com uma outra consciência do que tal projeto representa. Ou seja, com uma outra postura, mais comprometida, madura e responsável. Eis O Julgamento. Eis Mercúrio Retrógrado.
Beijãozão nocês…
Yub 

O Julgamento: Acorde para a vida!

Eis um Arcano que tenho notado suas manifestações com mais carinho. E tenho me surpreendido (rsrs A surpresa também é um dos atributos dO Julgamento rsrs).
Sabe aquela fase em que nós, dispostos a nos comprometer mais responsavelmente com a vida, decidimos viver com mais maturidade e consciência? Tem muito a ver com a dinâmica do que O Julgamento simboliza.
É bem como o efeito do despertador pela manhã, nos convocando a levantar e encarar as responsabilidades do trabalho, da escola e da vida como um todo.
O Julgamento representa o despertador em nossa alma. Ela desperta. Ela demanda uma postura existencial comprometida e madura. É um chamado para que acordemos e vivamos mais lucidamente.
A disposição em cumprir com as tarefas cotidianas e profissionais com mais propósito é o que O Julgamento tem de melhor. Muitas vezes, algo que parecia esquecido e adormecido – como a motivação em um trabalho – é redespertado através de uma situação surpreendente.
Um convite inesperado e uma proposta de trabalho diferente (mas que já havia sido vislumbrada no passado) são feitos. A oportunidade de adquirir um novo entusiasmo, uma nova postura e um compromisso mais responsável diante de tal projeto de trabalho que chega inesperadamente faz redespertar o ânimo outrora minguado diante da profissão e do emprego.
Então, esse é o sinal para nos envolvermos com um propósito superior e repleto de significado no rumo do que chega de desafiante em nossa vida. É um sinal, um sinal dos novos tempos. De um período mais maduro e marcado por um sentido existencial mais lúcido, consciente, responsável e maduro.
É hora de ouvir o despertador interno que nos convoca a agir com mais propósito na vida… É o chamado dO Julgamento…
Beijãozão nocês…
Yub