Diário Tarológico: Temperança / 9 de Espadas

Olá, pessoal!
 
A partir de hoje vou ter o prazer de dividir com o yub as atualizações do blog de tarot. Para começar, compartilho com vocês uma experiência que tive ao tirar o arcano do dia. Como de costume, tirei um arcano maior e outro menor. Saíram a temperança e o nove de espadas.


Quando a temperança rege o meu dia, tudo é muuuuito lento, minha disposição teima em não dar as caras, minha paciência é minuciosamente testada. É que a temperança pede isso mesmo: tempo. Pede da gente a sabedoria de respeitar o ritmo certo (e devagar devagarinho) das coisas para que elas se ajustem, se reconciliem, se reencontrem.
 
Este arcano vem depois da morte, a carta que recomenda profundos divórcios. Após a separação, vem a hora de um novo ajuste (temperança). Percebam que a carta traz um anjo com um pé na água e outro na terra, enquanto ajusta o conteúdo de duas taças até o equilíbrio perfeito da mistura, sem a menor pressa de chegar ao final (mas em profunda sintonia com a cadência do processo).

 
Já o 9 de espadas representa o medo de que o pior aconteça. Aquele clima de pavor que fica rondando a cabeça da gente. Se ele sai como arcano do dia, das duas uma: ou deixamos de fazer algo com medo que dê errado ou fazemos algo de forma precipitada numa tentativa (geralmente frustrada) de fazer as coisas darem certo. E no fim, percebemos que o pesadelo nem era tão assustador assim… ou seja, tempestade em copo d’água.

No dia em que saí com essa dupla, precisava chegar ao trabalho mais cedo. Acordei cedo, me arrumei cedo, tomei café cedo. Ia dar tudo certo. Quando eu estava pra sair, minha mãe me ofereceu carona até a avenida principal, onde tenho mais opções de ônibus. Disse que não precisava porque tava cedo e meu bus ia passar na hora. Acontece que o ônibus atrasou (temperança).

Eu fiquei preocupadíssimo, achando que ia me atrasar e levar uma super bronca das chefes (9 de espadas total em ação). Fiquei com tanto medo (9 de espadas), que fui andando até a tal avenida, só pra pegar o mesmo ônibus, afinal. Acabei chegando no meu horário de costume mesmo e nem teve o estresse que eu achava que ia rolar. Mas nesse dia, ainda teve mais: de noite, fui ao cinema com uma amiga. Ia dormir na casa dela, só que minha mãe, que tinha viajado, ligou me pedindo pra dormir em casa pra minha avó não ficar sozinha. Fiquei receoso e voltei (9 de espadas outra vez junto com a necessidade de conciliação da temperança).

Quer dizer, pintaram diversos atrasos (temperança), muito medo de experiências ruins (9 de espadas), necessidade de fazer conciliações pra não ser nem tão lá nem tão cá (temperança outra vez) e o eterno clima de tempestade em copo d’água (9 de espadas). Vez em quando, o tarot é assim, bastante literal e óbvio de tão evidente.

Beijo grande,
Yuri Assis
Equipe Yub de Tarot

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *