fbpx

É melhor ser feliz ou ter razão?

Atitudes orgulhosas podem nos aprisionar e custar um preço alto demais
Ao assistir o filme O Leitor, do diretor Stephen Daldry, uma característica da personagem de Kate Winslet me chamou a atenção: o orgulho. Hanna Schmitz, vivida por Kate, é uma das ex-carcereiras do campo de concentração de Auschwitz na época da Segunda Guerra Mundial. E vai a julgamento, junto com outras ex-guardas. É acusada de ser a mandante de uma ordem cujo resultado foi a morte de várias judias. Para confirmar se Hanna realmente assinou o relatório que comprovaria sua responsabilidade na autoria do episódio, o juiz pede que ela escreva seu nome num papel. Ela, analfabeta, prefere assumir a culpa a declarar que não sabe ler nem escrever.
E nós, quantas vezes, ao tomarmos uma atitude orgulhosa, também não nos aprisionamos? Você se lembra de circunstâncias em que preferiu sofrer uma penalidade repleta de dor por causa de seu orgulho?
Enxergamos o quanto é desgastante, por exemplo, lutarmos por fazer valer nossa própria opinião sobre outra, a de alguém muito querido, só porque não queremos admitir que estamos errados. Por orgulho, nos recusamos a reconhecer que o outro está com a razão e nós equivocados. Preferimos insistir no nosso ponto de vista, só porque tememos parecer, de algum modo, inferior. Teimamos em apresentar uma imagem superior.
Em outras palavras, pagamos um preço muito alto para que essa máscara de falsa superioridade seja mantida. Achamos que esse preço de manter o orgulho intacto será menor do que o incômodo de afirmarmos nossas limitações e erros.
Acabamos, com isso, deixando um rastro de efeitos nocivos ao nosso redor, para nós e para as outras pessoas. É como um médico, por exemplo, que não assume seus limites e mantém orgulhosamente uma fachada de superioridade por aparentar saber fazer certos procedimentos técnicos. Ele poderá ser duramente desmascarado quando chegar um paciente e lhe exigir a execução eficiente desse procedimento que falsamente emite saber. Essa decisão orgulhosa talvez coloque em risco a vida do paciente, leve sofrimento à sua família e decrete o fim de sua carreira. Vale a pena pagar o preço desse orgulho?
Não seria muito mais construtivo e benéfico reconhecer suas limitações, pedir sinceras desculpas por qualquer erro e se dispor a aprender – e corrigir – o que o seu orgulho anteriormente impediu de aprimorar? Além do aprendizado vindo com o aprimoramento, ganha-se a consciência tranquila por ter agido sabiamente. E isso não tem preço, pois traz liberdade perpétua. Afinal, a disposição em aprender nos liberta das amarras do orgulho. É como diz a frase popular: “Entre ser feliz e estar com a razão, prefiro ser feliz.”

Beijãozão nocês…

Yub
Artigo originalmente postado na Revista Personare:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.