fbpx

O Banquete, de PlUtão.

 

O Banquete, de Plutão.

         Nas cavernas profundas, estavam reunidos alguns convidados. Mais precisamente, sete convidados.

 

        O Anfitrião ocupava o lugar vazio no centro da mesa, ao redor da qual se encontravam os convidados. Algumas vezes, tínhamos a impressão, a profunda impressão, de que ele sentava-se no mesmo espaço em que cada convidado ocupava.

         Um aspecto misterioso ficava por conta da flor que cada convidado segurava em suas mãos. Será que ela representava o convite enviado pelo Anfitrião?

         De todo modo, a atmosfera que inicialmente reinava na reunião era de apreensão. Mas, apreensão em relação a quê? Talvez pelo ar de mistério e suspense. E isso seria motivo suficiente para trazer à tona, quase de maneira palpável, o medo de cada convidado. E cada um possuía uma espécie de medo…

         O que seria servido naquele Banquete, o Banquete de Plutão?

         Por enquanto, todos apreciavam o mais extasiante vinho, talvez para relaxar… talvez para inebriar… O fato era que o vinho era servido e nenhum convidado recusou.

          Aproveitando o clima estrategicamente criado e irradiado, o Anfitrião, agora sim, ocupando o centro vazio da mesa, tomou a palavra.

         Logo quando começou a falar, todos estranharam, pois perceberam que não saíam palavras da boca do Anfitrião. Este falava, com profundidade e sem rodeios, indo ao cerne de cada questão relativa a cada convidado, através do seu olhar. Mas que olhar eloqüente… E por mais que eles tentassem, nenhum conseguia tirar os olhos
daquele penetrante olhar emanado pelo Anfitrião, que falou:

– Mesmo tratando de questões particulares compatíveis a cada um de vocês, talvez seja de extrema importância (quase vital) que todos as escutem. Ouçam com todo o seu ser, pois cada conselho que ministrarei servirá para todos, uma vez que há um laço comum ligando-os: o Medo, o Medo do Poder.

         Após comunicar com o olhar tal recado, o Anfitrião fez uma pausa. Esta também era repleta de eloqüência, a fim de que cada convidado fosse inquestionavalmente tocado e influenciado pela verdade nele expressa.

         Percebendo o efeito unânime provocado na alma dos 7 convidados, o Anfitrião tomou novamente a palavra. Embora agora já não fosse possível saber se ele falava da posição em que se encontrava inicialmente, ou se ele ocupava a mesma posição daquele respectivo convidado para o qual direcionava seu recado. Talvez o Anfitrião
ocupassem ambos os espaços… creio que ele possuía essa capacidade, creio que ele tinha esse poder.

         Ele disse ao primeiro convidado:

 

 

– Meu caro Sol, se você aceitou meu convite, o que muito me honra, isso quer dizer que optou por vencer o teu medo. Se veio me visitar em meu Reino, é porque aceitou, mesmo que por pressão (por uma sutil e poderosa pressão), a aceitar, encarar, compreender e transformar o teu medo – disse o Anfitrião ao Sol, tomando mais um gole de seu delicioso vinho enquanto o respectivo convidado engolia em seco.

          E continuou:

– Chegou a hora de encarar o medo de assummir o verdadeiro Poder, o qual transformará teu senso de identidade, auto-estima e criatividade. Chega de tentar renegar o Poder que está em ti e que deve brilhar por teu intermédio. Chega também de exercer e direcionar esse Poder de uma maneira manipuladora, cruel, egoísta e destrutiva.

     Chegou o momento de colocar tua luz a serviço do Poder de tua Verdadeira Natureza, e, assim, expressar sua luminosidade através do auto-domínio. Através dele,  terá a capacidade de transformar a tua vida e a vida dos que o cercam, se assim eles quiserem. O importante é você integrar conscientemente sua sombra e sua luz, sendo um veículo de Poder Gerador, Transfomador e Alquímico, por ter alcançando um profundo nível de autoconhecimento e auto-realização.

         O convidado que estava ao lado do Sol percebeu que aquele olhar, aquele penetrante olhar, acompanhado daquele eloqüente silêncio, vinham em sua direção. A reação foi a de largar o copo de vinho e tentar ser mais receptivo ao recado que o Anfitrião tinha para si.

 

– Lua, tua presença aqui em nosso Banquetee vem trazer aconchego, intimidade e familiaridade. Deixa-nos mais à vontade para perceber que a riqueza de meu Reino não é visível, não é – como um antigo profeta dizia – deste mundo.
       Como disse ao nosso brilhante Sol, minha amiga Lua, se você aceitou meu convite, é porque está em condições de vencer teu medo, o medo das profundas e poderosas emoções.
       Chegou a hora de aceitar a necessidade de vasculhar teu íntimo e encontrar no mais profundo de sua alma aquilo que realmente satisfaz: o Poder de transformar os estados emocionais e os ambientes em que vive. Chega de tentar inutilmente controlar tuas mais sombrias emoções e anseios; chega de tentar buscar tua segurança emocional através da manipulação e da proteção destrutivas. Chegou a hora de expurgar tuas mais profundas inseguranças e assumir seu Poder Transformador, o qual lhe preencherá emocionalmente.

         O Convidado ao lado ficou irrequieto, sua mente, então, nem se fala. Era inevitável o encontro com o Anfitrião. Afinal, suas mãos, tão habilidosamente desenvolvidas, seguravam a flor – símbolo da sua aceitação para estar presente no Banquete, de Plutão. E ouviu:

 

– Mercúrio, meu querido parente. Não preciiso dizer-lhe o que falei aos nossos dois convidados anteriores, porque sei q você já pensou a respeito e comprovou tal fato.
       Então, chegou o momento de parar de se dispersar por conhecimentos, informações, fatos superficiais e relativamente desconexos. Agora é a hora de você
vasculhar os recônditos de tua mente para descobrir teu Poder Mental e Comunicativo.
      Chegou a hora de parar de renegar a profundidade de tua mente e de tuas percepções. É o momento propício para chegar à raiz daquilo que conhece e pensa, sendo capaz, portanto, de comunicar a riqueza essencial e transformadora de teu Poder Intelectual.

         O próximo convidado abriu aquele sorriso encantador. Pegou sutilmente a taça de vinho e direcionou-a ao Anfitrião para que este a preenchesse com aquele líquido inebriante que mata a sede da alma. Assim foi feito.

          O próximo convidado encantadoramente bebeu mais um gole de seu vinho. Olhou ao redor e não encontrou os adornos que costuma ver e apreciar no mundo onde reina. Percebeu que as belezas e as riquezas valorizadas ali eram outras, aparentemente invisíveis. O Anfitrião, então, se concentrou mais intensamente para dizer-lhe:

 

 

– Vênus, minha linda, tua presença aqui embeleza e alegra o nosso Banquete. E mostra o quanto estás preparada para assumir sua verdadeira beleza, fundamentada no verdadeiro valor: de teu profundo poder harmonizador.
         Chegou a hora de encontrar valor no teu Poder Harmonicamente Transformador, atraindo relações compatíveis com esse nível de
auto-estima e prazer.. Desse modo, poderá expressar teus gestos de afeto com mais profundidade e sedução, tocando a alma daqueles que convivem contigo ao ofertar-lhes o Valor mais Precioso, aquele que confere a verdadeira auto-estima: o Valor de sentir o Poder de nossa Real Natureza e a doá-La intensamente aos que convivem conosco.

         O próximo convidado quase saltou impulsivamente de sua cadeira para travar um embate com o Anfitrião. Porém, não teve coragem para isso. O olhar penetrante que expressava aquele silêncio eloqüente o dominou, sutil mas poderosamente, fazendo-o ouvir:

 

-Marte, meu valente guerreiro, tua dinâmica e corajosa presença só enaltece a nossa reunião, o nosso Banquete.
          E é com toda sinceridade que digo: Chegou a hora de você assumir teu verdadeiro Poder de agir de maneira profundamente transformadora, incitando no espírito de todos a coragem e a ousadia de conquistarem os reinos perdidos de suas inconsciências. Chegou a hora de parar de renegar teu poder marcial se auto-destruindo por canalizar tua impulsionadora energia de maneira egoísta, dominadora, cruel, covarde e ferina.
          É o momento de fazer valer teu verdadeiro Poder de agir construtivamente para a transformação de nosso comodismo, de nossa insegurança e de nossos desejos mesquinhos. Entre em contato com Ele, assuma-O e decida corajosamente expressá-Lo. Pos já foi dito que seja feita a vontade Dele.

          O último convidado abriu aquele sorriso largo e quis servir mais uma rodada de vinho por sua conta a todos os convidados e ao Anfitrião. Queria brindar a alegria de estarem ali aprendendo e compreendendo algo a respeito da Existência. Como talvez ele provavelmente derramaria vinho em algum dos presentes, não quis arriscar que esse premiado fosse o próprio Anfitrião. Preferiu, então, agradecer a este o convite e a hospitalidade de seu Reino.

 

Após o agradecimento, o Anfitrião, sorrindo internamente (o que era a única forma
dele sorrir), falou-lhe:

 

 

– Magnânimo Júpiter, é uma honra tê-lo aquui e saber que irás compreender aquilo que tenho para dizer-lhe.
         A aceitação do meu convite mostra que você está no momento apropriado para saber que a Sabedoria só pode ser expressa de hoje em diante embasada no Poder Interior. Este permite que ela seja transmitida com profundidade e com um alcance amplamente transformador.
         Não é hora de se expandir inapropriadamente e nem de relutar em mostrar tua
sabedoria inspiradora. Agora é o momento de aliar os Princípios e as Leis da Vida ao Poder que delas emana e as contém. Desse modo, expressando o Poder Transformador dos Princípios Existenciais, poderá proporcionar à coletividade
um verdadeiro sentido da Vida. Permitirá que a alegria sincera seja alcançada, uma vez que inspira a todos a seguir o Poder de suas intuições.

        Júpiter compreendeu. E agradeçeu, abençoando aquela experiência.

O último convidado, dos 7 ali presentes, aparentava uma frieza auto-controlada impressionante, talvez como defesa para seus medos e para a necessidade de transformação que o Anfitrião iria propor. Mas, disciplinadamente, organizou-se internamente para ouvi-lo.

 

 

– Saturno, mestre dos mestres, irei diretoo ao ponto contigo, sem floreios. Porque você, talvez até mais do que eu, já sabe os seus pontos vulneráveis e o que precisa aprimorar, desenvolver.
          Portanto, você sabe que chegou a hora de transformar tudo aquilo que você tinha estruturado e estabelecido, achando que tinha alcançado um nível de segurança e de respeitabilidade por isso.
          Mas, não. É hora de utilizar seu Poder estruturador e organizador para transformar com responsabilidade aquilo que já se mostrou estagnado e estratificado. É hora de reconhecer o quanto o compromisso com teu verdadeiro Poder Estruturador e Realizador deve estar a serviço de um compromisso mais Elevado, o qual traga uma estabilidade mais dinâmica ao nosso todo coletivo.
          Você mesmo sabe que vai doer trabalhar profundamente em pontos estagnados de tua antiga estrutura, pois essa se mostra superficial e denota a necessidade de estar amparado por uma base mais produtiva e útil: a do Poder de Transformar estruturas retrógradas e involutivas. 

        

        Saturno, e mais os outros 6 convidados, agora tiveram a certeza de enxergarem o Anfitrião tomar o lugar central-vazio da mesa. Todavia, permanecia a sensação de que este estivesse presente onde estavam sentados, tal como ocorrera quando ouviram-no falar com cada um.

– Vocês, hoje, entraram em contato com a verdadeira riqueza que meu Reino possui: a
Riqueza do Poder Interior, aquela que nunca é perdida, pois faz parte da Natureza de cada um. E agora vamos ao Banquete!! Que venham os pratos!!

– CLAP CLAP – o Anfitrião bateu palmas e os carrinhos negros, onde as comidas estavam, eram puxados por dois Irmãos do Anfitrião.  Todos os convidados se deliciavam com cada prato servido pelos dois Irmãos do Anfitrião – temperados com o mais Divino Encanto (Netuno) e Originalidade (Urano). E continuaram a degustar os mais saborosos vinhos.

         No fim do banquete, de Plutão, os 7 convidados foram levados pelas carruagens negras do Anfitrião. Cada um recebeu um envelope que só poderia ser aberto quando estivessem em suas respectivas Casas. Nele estava escrito:

 

– BUH!        


Novos endereços, o Yahoo! que você conhece. Crie um email novo com a sua cara @ymail.com ou @rocketmail.com.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.