O Último Mestre do Ar: Kundalini e o Chi!

Fico aqui pensando… Se eu não tivesse um certo conhecimento sobre determinados simbolismos, o número de filmes RUINS que já assisti seria bem maior. O Último Mestre do Ar seria um deles.
Porém, por conta de já ter feito Tai Chi Chuan, Kung Fu, lido e praticado alguns exercícios dos livros do taoísta Mantak Chia, bem como por estudar os 4 Elementos no Tarot e na Astrologia, praticar Meditação e me envolver com questões vinculadas ao “despertar” da Kundalini, o filme se tornou MAGISTRAL pra mim. :-)))
Caramba… Impressionante como O Último Mestre do Ar me causou uma impressão bacana. Me deu saudades da época em que praticava diariamente o estilo Yang de Tai Chi. Lembrei-me, inclusive, de certos sábios (velhinhos) na China que têm um Chi tão bem desenvolvido, distribuído e canalizado. Tanto é que são capazes de arremessar uma pessoa longe quando esta entra em seu campo de energia.
Aqui tem um bom exemplo de um Chi aplicado de forma construtiva:
Esses choques de energia que tal mestre provoca me fez lembrar da Kundalini. Quando despertada, parece um choque elétrico que percorre todo nosso corpo. A intensidade da vitalidade, com a energia espalhada por todo nosso corpo, é como uma corrente elétrica que nos percorre. 
E você que viu o filme, reparou na tatuagem de Aang (O Último Mestre do Ar)? Veja se não tem tudo a ver com a própria subida da kundalini, a qual é associada a uma serpente!!!!

Veja o formato da cabeça da serpente (kundalini) na tatuagem/marca de Aang:

O objetivo de se trabalhar o Chi é justamente ter essa energia bem circulada em nós. E poder usá-la de uma maneira muito poderosa – como o moço do vídeo acima faz, para curar as pessoas.
Para se conseguir esse Chi, é preciso não masturbar, não ejacular (os exercícios de Mantak Chia ensinam como conseguir isso SEM REPRIMIR) e a prática de diversas técnicas. Estas, como as dos movimentos do Tai Chi, visam trabalhar com a harmonia dos quatro elementos.
A Astrologia também mostra muito bem a importância de desenvolvermos as posturas dos elementos que nos faltam e saber dosar as atitudes dos elementos que temos em excesso, a fim de conseguir esse equilíbrio entre os Quatro Elementos (Fogo, Terra, Ar e Água).
Isso nos proporciona uma vitalidade impressionante. É difícil conseguir lidar com tamanha energia. Digo isso por experiência própria. Confesso que não consigo. E que continuo tentando. A meditação me ajuda MUITO nesse sentido…
Então, com um olhar nessas mensagens simbólicas, o filme O ULTIMO MESTRE DO AR se torna bem melhor do que vê-lo como simples entretenimento.
Beijãozão nocês…
Yub

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *